A CRISE DE PANICO


A crise do pânico ou transtorno do pânico é um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem crises inesperadas de desespero e medo intenso de que algo ruim aconteça, ou a sensação eminente de morte, mesmo que não haja motivo algum para isso ou sinais de perigo.

Também podemos caracterizar como crises de angústia, a Psicanalise descreve a crise de pânico, como uma situação de angustia estrema, e consistem no aparecimento de episódios repentinos e temporários de sentimentos de angústia, desconforto e medo intenso. A sua duração é variável (aproximadamente 15 minutos) e o seu pico de intensidade máxima ocorre após alguns minutos.


Os sintomas que podem aparecer nos ataques de pânico são muito diversos: sudorese, hiperventilação, taquicardia, tremores, tonturas, vômitos, náuseas… Além de outros sintomas psicológicos, como medo de enlouquecer ou perder o controle, medo de morrer e de estar sofrendo um infarto, entre outros. Também podem aparecer sintomas dissociativos, como a desrealização (sensação de que o que está acontecendo não é real) ou despersonalização (estranheza da própria existência).

Uma complicação frequente é o medo do medo, ou seja, o medo ter outro ataque de pânico. Esse medo pode ser tão grande que a pessoa, muitas vezes, evitará ao máximo situações em que essas crises poderão ocorrer novamente.


Causas da crise de pânico


Não existe uma causa única e evidente, geralmente as crises podem ocorrer por situações de angustia extrema, onde a pessoa realmente pode estar passando por um momento muito difícil de sua vida, e estas ansiedades e sofrimentos podem desencadear as crises e todo esse transtorno. Em outras situações observamos que crises podem vir por um acumulo de situações problemáticas e angustiantes, que onde até usamos o termo de “Quando o copo transborda”, e é exatamente isso, a pessoa esta com um acumulo de emoções reprimidas, e internalizando muita angustia e ansiedade por muito tempo, e a mente como um pedido de socorro, começa a externar essas angustias reprimidas em forma de crise de pânico.

Existe outras situações sobre a causa dessas crises, que seria o uso de substancias: anfetaminas, cocaína, heroína, maconha, lsd, álcool, doses concentradas de cafeína, medicamentos, outras substâncias tóxicas.

Além disso, a genética também pode estar relacionada à etiologia do transtorno do pânico. Vemos como as pessoas com familiares que também sofrem de um transtorno de ansiedade têm uma maior probabilidade de desenvolver um deles.


O tratamento


O tratamento quando essas crises são limitantes e acentuadas é o uso de medicação acompanhada pelo Psiquiatra, e a psicoterapia para entender melhor as causas dessas crises e transtornos. A terapia tem a finalidade de entender a raiz deste problema e ajudar a pessoa a ressignificar essas emoções reprimidas, e administrar melhor suas dinâmicas.

Existem alguns caminhos naturais para tratar as crises como: técnicas de relaxamento, atividade física, acupuntura, yôga e uso de ervas naturais através da aromaterapia e a auto hipnose.


3 visualizações0 comentário